Top Hipster: As 100 Melhores do Kpop de 2021! Parte V [40-26]

A trinca final de posts começa, com só o must do must da música coreana de 2021 aparecendo (segundo a minha pessoa, claro kk). E se prepare porque tem muita album track esquecida que vai dar as caras ainda kk

40. Let It, CL

Gostei do álbum da CL? Gostei. Mas eu tenho um certo negócio com alguns álbuns, em que eu acabo só ouvindo a maioria das músicas dentro do álbum mesmo (ao invés de curtir e ouvir mais uma música ou outra), muito pela vibe complementar que elas trazem. E Alpha foi um destes casos. A maioria das faixas funcionam muito mais em conjunto do que uma ouvida aleatória separada dos outras… Menos Let It. Meu lado blackjack deve estar falando mais alto, porque esta é uma faixa que é puro suco das músicas mais emotivas que o quarteto lançava. Toda esta carga de underdog da letra misturada a progressão bem dividida das linhas (dá pra OUVIR as partes da Dara, da Minzy e os gritos da Bom no refrão) pegou muito na nostalgia e garantiu a independência da música para com o resto do álbum.

39. Say Yes, IZ

2021 foi o ano das k-bands. Tudo quanto é bandinha fundo de quintal conseguiu trazer pelo menos um lançamento memorável (menos o DAY6, né? :v). Uma delas foi o IZ. Say Yes pode pode parecer só mais uma baladinha genérica em seus primeiros segundos, mas aí entra aquela guitarra sofrida que te faz lembrar dos tempos em que os e-boys/girls eram os emos e o caráter “transgressor” do hyperpop pertencia ao punk pop/rock. É um baladão de pop punk bem feito, com refrão grudento e explosivo em um ótimo trabalho para evidenciar todos os instrumentos presentes na faixa. Pra quem gostou, eles também lançaram outra faixa na mesma vibe este ano (Missing U), mas eu acabei preferindo esta mesmo.

38. All Kill, T-ARA

A b-side All Kill foi a grande estrela do comeback lendário do T-ARA. Nela temos TUDO que faltou em Tiki Taka, o single oficial, e combina mais com a marca T-ARA, sem necessariamente soar como um eletropop sombrio tal qual o grupo lançava no seu auge. Com inspirações western, progressões agressivas de melodia, um refrão bem potente e um rap melancólico PERFEITO da Eujung, a faixa consegue trazer muito mais impacto em sua narrativa de sofrência, com todo o exagero interpretativo que adoramos neste tipo de faixa. Até high notes no último refrão tem! (isto fica digno de nota, já que nenhuma das quatro era main vocal do grupo).

37. Abittipsy, Youha

Uma das grandes cadidatas ao Top10 no começo do ano, Abittipsy acabou me cansando com o tempo. Ela ainda é um ótimo synthpop oitentista, bem mais raíz do que estamos acostumados. Abittipsy e lembra uma das melhores músicas do último álbum da Kylie Minogue. Mas acho que a estrutura do refrão, sem alterações em todas as vezes que repete, acaba se tornando cansativa conforme fui superexposto a faixa (teve uma época que eu ouvia ela TODO DIA de manhã kk). Ou seja, ainda é uma boa faixa, mas com menos replay factor do que eu imaginava.

36. Pool Party, Brave Girls (feat. E-Chan do DKB)

Nada mais k-pop que um clipe que não tem NADA A VER COM A LETRA DA MÚSICA  (porque raios elas estão jogando boliche se a música fala de uma festa na piscina? kk). De toda forma, Pool Party é uma música super divertida, bem mais organizada e direta que o primeiro single original delas depois do hit, com direito a passinhos ADORÁVEIS de natação e a participação do gatinho do E-CHAN de verde. É um lançamento que brinca com as referências da segunda E da primeira geração em sua estrutura e visuais, trazendo um dance-pop descontraído, divertido, moderno e, ao mesmo tempo, vergonha-alheia, como os melhores singles do Brave Sound.

35. Hello, Joy (Red Velvet)

Hello é um lançamento que NINGUÉM esperava da Joy. Ninguém mesmo. E, ainda assim, foi o melhor solo do Red Velvet. Trazendo a magia de uma princesa Disney, a mulher regravou uma música de 1999 e a trouxe a um contexto digno de um filme da Sessão da Tarde, misturando a mensagem positiva da letra com a narrativa de uma jovem procurando os pais de uma criança perdida enquanto viaja entre várias comunidades tradicionalmente coreanas. É LINDO DEMAIS. Me emociono toda vez que vejo e abro um sorriso toda vez que escuto.

34. Easy, WJSN THE BLACK

Easy, apesar de seguir na linha do que o grupo completo lançou este ano, vai mais fundo em maturidade, em um refinamento que permeia a melodia e o clipe, ficando bem mais efetiva no processo. A faixa é um deep house com muitas influências de R&B, que vai direto ao que propõe e só te faz navegar por entre as diversas camadas dessas harmonias e sintetizadores. Não traz nada de muito novo depois dos primeiros segundos, mas, sinceramente, precisa? Mesmo o break de rap soa bem mais orgânico e ligado a faixa do que o que está comum ultimamente…

E o clipe que, além de trazer um figurino confortável pra elas, foi sugerindo uma estorinha de roubo por apenas partes de cenas, assim como os suspiros delas sugerem mais do que propriamente falam a letra… Chef’s kiss 

33. Moonshot, N.Flying

As vezes eu me espanto com o quanto eu sou crítico com meus favoritos. N.Flying sendo queimado antes do 30º?! Que isto, Tutu?! kk

Moonshot, como esperado para a banda, é um número de rock com raps, com grandes influências de j-pop e rock dos anos sessenta. Mas Contudo Todavia Porém, a produção da faixa traz um caráter mais sombrio, antigo, com leves toques de jazz e sussurros macabros entre o rap do J.DON/Seunghyub e os gritos do Hweseung. É justamente no refrão que reside a maior força da faixa, apostando em TRÊS momentos pra grudar na sua cabeça, todos em sequência (“fed the fiiiiiiiiiiiire“/”man on the moon“/”if you wanna change, be not afraid“). É uma construção mais comum pra coisas mais popzinhas e, em meio a algo mais roqueiro, realmente destaca a música do resto de seu cenário. O resultado final é um refrão catártico, que evidencia o caráter dolorido dos receios que eles abordam na letra e deixa ainda mais palatável a paleta de cores sóbrias no clipe, um dos mais memoráveis deles desde o clipe do sereio.

Só não está mais alto porque teve k-bands que foram ainda MELHORES! 🤯

32. My Sea, IU

Tal qual Sunmi, IU vem me cansando. Desde que hitou com Hotel del Luna, ela vem ficando cada vez menos arriscada, ao ponto de bem parecer mais a jovem que causou com a opinião pública com 23. Mas Contudo Todavia Porém, ainda tivemos pontos altos no novo álbum da gata.

Também apostando em princesa da Disney realness, My Sea é uma baladinha no piano que se desenvolve, criando momentum e crescendo junto com a voz a IU a cada refrão, ganhando caráter épico e fantasioso. A letra só ajuda neste fato, com ela refletindo sobre as memórias de sua infância e como seus sonhos foram se transformando, tendo momentos em que ela nem se reconhece no espelho. Conforme o refrão vai ficando mais potente, a letra vai ficando mais libertadora, com ela desejando virar uma onda e se perder no mundo. Acontece um despertar e um reconhecimento próprio no decorrer destes cinco minutos e pouco de faixa, que traz toda esta sensação na qual vários e vários frames de animação são necessários para conseguir transmitir em sua completude. É de uma produção e entrega espantosas, que merecia um clipe animado pra honrar a referência que provavelmente tiveram produzindo isto daqui.

31. Spider, Hoshi (Seventeen)

Um dos primeiros sexy concept masculinos do ano acabou sendo um dos melhores. Spider é sexy, é delicada, contem ótimos harmônicos super-agudinhos (contrastando com os sintetizadores bem graves) e uma coreografia muito bem montada imitando o movimento de uma aranha. Aqui, Hoshi não tem medo de soar menos masculino do que seus amigos oppas e isto faz o clipe (além de ser um colírio pros olhos), algo muito mais natural de se ver. Eu conseguiria ver a GaIn lançando algo assim no seu auge, impressão que eu nunca imaginaria que um homem coreano além do Taemin iria trazer…

30. HUSH, Kim Sung Kyu (Infinite)

Se tem uma coisa que eu venho gostando cada vez nos últimos tempos são baladas EXAGERADÍSSIMAS dos anos oitenta, muito pela capacidade de entregar um número sentimental e frágil junto de um instrumental bem mais impactante do que estamos acostumados a ver nas baladinhas acústicas de hoje em dia. Em HUSH, o líder do Infinite parece abrir seu coração para nós ao mesmo tempo que fornece uma música potente o suficiente para funcionar como forma de expressarmos nossas frustações. Toda a faixa funciona de forma a ressaltar a explosão do refrão, que soa como um pedido desesperado para trazer uma definição ou sentido em meio a uma situação crítica de desamparo. Isto não só o deixa mais potente como valoriza todo o trabalho dos sintetizadores crescendo lentamente sobre as teclas de piano. Só não tá mais alta no ranking porque teve OUTRA balada com inspirações oitentistas que conseguiu se sair ainda melhor que HUSH.

29. Love Fool, STAYC

Mais uma faixa do meu Top10 de meio de ano que acabou caindo umas posições com o tempo kk

Existe uma certa magia em Love Fool que me leva a tempos mais jovens no k-pop, mesmo ela sendo bem atual para o mainstream. Numa mistura de pop-acústico com bate-estaca retrô inespecífico, elas vão falando e murmurando sobre amor, como se perguntassem para as estrelas o significado destes sentimentos. Mas é na ponte que a faixa brilha, com elas gritando “lost stars, a shinning in my heart” (“estrelas perdidas, um brilho em meu coração”) em coro, promovendo uma espécie de grande catarse sentimental que me lembrou o caráter mais atmosférico acalorado de faixas mais antigas do Wonder Girls, como Girls Girls e Hey Boy. É uma espécie de inocência e encantamento que me pegou de um jeito que eu não via fazia um bom tempo no k-pop… Rainhas da nova geração mesmo.

28. Airplane Mode, fromis_9

A grande estrela do comeback do fromis_9, Airplane Mode é uma das faixas mais emocionantes do grupo. Por mais que o lado visual de WE GO tenha marcado muitos, no fim, ouvindo as músicas no Spotify, foi esta b-side que acabou ganhando mais replays. Um pop bate-estaca deliciosíssimo, onde elas trazem um vocal mais sóbrio, harmônicos em “u” (amo quando ficam fazendo “uuuuu” nas músicas) e um caráter bem mais classudo do que estamos acostumados a ver do grupo. A forma como o high note do refrão fica encorpado e tem toda uma energia empolgante é inesquecível. É aquela típica faixa que cresce lentamente em sua duração e explode, te dando um grande boost de energia.

27. LO$ER=LO♡ER, TXT

Loser=Lover foi uma aposta diferente do que costumamos ver em investidas de pop punk (me lembra os lançamentos de verão de bandas de rock… Como aquela do Gorillaz que o vocalista tá andando de patins), conseguindo soar até mais roqueira que muita banda por aí 👀 Até na letra, apostando em autodepreciação, o lançamento tem mais cara de pop punk. Deixaram evidente que a raiva e indignação narradas não são necessariamente românticas, mas sim relacionadas a como o mundo se comporta de uma forma fria e cruel conforme nós crescemos em um clipe narrativo envolvente (eles até mandam uns palavrões!! Quem diria?). A ideia de “lover com $ é loser” é meio piegas? É. Mas não seria este sentimento meio juvenil/jovem adulto “piegas” também?

26. Anymore, SOMI

O álbum da Somi foi bem mais competente do que eu esperava, cheio de faixas meio mornas que, em conjunto, soaram melhores do que a maioria dos álbuns americanos que apostam na mesma estética e público-alvo. Uma música se salva e tem força sozinha fora do álbum, porém, e esta é o deliciosíssimo pop rock disneyano Anymore. Eu consigo ver qualquer gatinha da Disney (desde a Hillary Duff até a Selena Gomez) cantando uma dessas em seu álbum adolescente de debut e, considerando que foi esta sonoridade que me fez gostar tanto de música e álbuns, não teve como eu não me apaixonar pela faixa.

E a YG deve saber disto, porque deram um clipezinho bem competente pra ela, o que, querendo ou não, ajudou a dar um glow-up pra faixa não sumir como uma ótima album track esquecida.

Só mais dois posts e o Top 100 termina (nem acredito!!!!). Alguma faixa na lista te surpreendeu? Conhecia/lembrava do IZ ou de alguma das album tracks que falei aqui? Se prepare porque a próxima parte (a última antes do Top10) ainda guarda algumas surpresas xD

Coloca aí nos comentários quem você acha que vai aparecer nos próximos posts do Top Hipster e me fala as músicas que você mais curtiu deste ano também xD

Este é um de uma série de posts comemorativos de final de ano, ranqueando tudo de bom e de ruim que teve em 2021 kk Se quiser, dá uma olhada nos outros posts de final de ano: As Ruins | Álbuns | BLs | Músicas [100-86] [85-71] [70-56] [55-41] [11-25] [1-10]

O Aquário Hipster também tem Twitter!! Segue lá: @AquarioTutu

7 comentários em “Top Hipster: As 100 Melhores do Kpop de 2021! Parte V [40-26]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s