Fundo do Mar (14 a 31/01): Boyfriend, Mamamoo, OnlyOneOf, Astro, fromis_9, Yena, Yuju e mais…

Saiu a segunda parte das reviews do Aquário sobre os lançamentos de janeiro. Escutando 90% dos singles em sequência (pouca coisa eu escutei quando lançou mesmo) é inacreditável que o k-pop teve tanto gás em um mês que o mercado ainda tá engrenando pra entrar no novo ano… Bizarro e incrível ao mesmo tempo.

A propósito, no outro Fundo do Mar, eu falei da identidade visual e, na afobação de postar logo (kkkk), esqueci Agradecer a Rafa do AYO GG pelos conselhos e pelo suporte neste mundo do design (muito obrigado sua lindaa 💖).

Adonis, Boyfriend/BF

Outra coisa que eu esqueci de comentar no outro post foi este comeback do Boyfriend (agora entitulado BF) lançado bem no finalzinho de dezembro. Eu sou MUITO tiete do Boyfriend (caso não lembre eu surtei quando eles anunciaram que voltariam kkkk) e não poderia estar mais contente com este comeback.

Em uma vibe de midtempo melancólica com rap a la BTOB, Adonis é o primeiro lançamento do grupo totalmente escrito e produzido por eles. Inclusive, a empresa em que eles estão foi fundada por um dos membros e o projeto do comeback saiu a partir de financiamento coletivo. É, literalmente, os carinhas se juntando sozinhos sem a Starship pra encher o saco 🎉

O clipe é lindo (tanto nos cenários quanto nos próprios integrantes) e a letra é extremamente inteligente: Adônis foi, na mitologia grega, um amante disputado por Afrodite e Perséfone, sendo ordenado por Zeus a passar um terço do ano com uma e outro terço com outra. O mito é uma metáfora para o ciclo anual da vegetação que se relaciona com a letra sofrida de inverno em que eles desejam apagar as memórias do romance com a brancura da neve, já que Adônis amava Afrodite e o tempo em que ele permanecia com Perséfone era o inverno (quando ela ficava no Submundo).

Reizinhos, apenas.

Yummy Yummy Love, Momoland X Natti Natasha

Eu não vou fingir que conheço a Natti Natasha, mas aqui ela realizou o sonho de vários atos pop ocidentais capopeiros e atual junto com um girlgroup. E o melhor: com uma música ÓTIMA. Yummy Yummy Love é uma mistura de big band e disco, trazendo um pouco da modinha Say So para uma demo que, há alguns anos, seria um single das Nine Muses com um título de uma palavra.

A única coisa triste é que o Momoland agora é bem aleatório, sem direcionamento e só esperando explodir. Se elas seguissem este direcionamento até as gatas restantes saírem da empresa, seria legal.

Make Me Happy, Wheein (Mamamoo)

Wheein está no processo de se tornar uma das minhas solistas favoritas, apesar de ainda não ter acertando tanto assim em seu primeiro EP. Make Me Happy é muito mais fiel a sonoridade do álbum do que water color foi para Redd, e isto deixa o álbum bem melhor com seus números mais lentos.

Quando digo “lentos”, porém, não interprete como baladinhas chatas. O single é uma viagem sinestésica entre diversos sintetizadores que brincam com o disco e o city pop (como as músicas boas do Poetic Narrator), realmente dando a impressão que são uma representação sonora do bater de asas de uma borboleta (como o clipe sugere).

Melhor single relacionado ao Mamamoo desde, bem, o último da Wheein kkkk

DM, fromis_9

Outro ato que gosto muito é o fromis_9. Eu tinha um pouco medo do “amadurecimento” que elas teriam neste comeback deixá-las genéricas demais em comparação ao caráter metalinguístico que permeava os singles delas.

DM soa mais genérico mesmo, tanto em entrega quanto no clipe, mas eles se esforçaram. A faixa não muda muito do seu típico single alegrinho bem produzido do fromis_9 e este é o melhor ponto do lançamento. No final, só da Pledis não deixá-las mofando já é lucro.

Pity Party, JAMIE

Eu acho incrível como a JYP consegue encontrar mulheres criativas e afrontosas a toda a indústria do kpop só pra deixá-las escapar com gerenciamentos duvidosos. Nessa leva a gente tem a Ha:tfelt, a Yerin Baek, a Sunmi (mais ou menos) e a Jamie, que nos agraciou com uma versão sombria de um bom lançamento da Kylie Minogue.

A faixa é um nu-disco by the numbers que traz diversão da desgraça humana, com uma letra e apresentação que abraça nossa tristeza a partir da máxima “depois de chegar no fundo do poço, o único caminho é subir”. E é esta nuance que deixa o lançamento bem marcante e único em comparação as várias faixas do gênero que estamos vendo estes meses.

SMILEY, Yena (feat. BIBI)

Tem muitas coisas neste lançamento que me impressionaram: (1) como um grupo tão aguado quanto o IZONE tá rendendo tanta solista interessante?!, (2) como a gente tem DOIS ATOS femininos apostando no super-heroína concept NO MESMO MÊS?! , (3) como a Bibi só aceitou entrar nesse single fofinho e ainda fazendo o papel da vilã?! e (4) como o álbum disso pode ter ficado tão BOM?!

Este é um dos lançamentos em que tudo funciona. A melodia, a letra, o clipe, as pessoas envolvidas, o álbum… É o debut solo muito forte, que mira em algo muito ignorado no kpop atual (o aegyo espevitado) e traz uma mensagem mais do que necessária nestes tempos pandêmicos/pós-pandêmicos. Perfeita.

Just Breath, JinJin & Rocky (Astro)

Eu nunca imaginei que a boyband da terceira geração que conseguiria trabalhar todos os seus integrantes fora do grupo (como o SuJu, o BigBang, o SHINee…) seria o Astro. Mas foi. Com este lançamento, todos os integrantes da boyband conseguiram projetos separados, com propostas e sonoridades diferentes (algo incrível, sério). E fica ainda melhor com ninguém partindo pro trap de machão (pelo nos singles) e com a letra bem legal que este funkzinho teve.

Uma pena que o álbum não tem o mesmo direcionamento e vai pro trap de machão mesmo.

1, 2, 3, AB6IX

AB6ÏX continua uma bagunça de direcionamento pra mim, voltando agora com um álbum especial. Pelo menos o single não vai tão longe estilisticamente do último comeback e não gera o estranhamento que todos os últimos comebacks deles tem. A música é fofa, mas parece que o grupo pode muito mais do que estes singles e álbuns mornos que eles vem lançando.

Villain, DRIPPIN

Villain é ótima e parece que será o cúmulo do dancepop masculino sensual e viado até vir os versos de trap e estragarem tudo. Se fosse num mês mais fraco, talvez até chama-se minha atenção, mas com tanta faixa boa lançando neste começo de 2022, DRIPPIN só não chegou a altura.

Slow Mo, BamBam

Eu acho uma tristeza atos com tanto potencial fora do padrão masculino caírem nessa vibe soft do Justin Bieber. A gente projeta uma imagem nestes integrantes quando eles estão nos grupos e na hora de ouvirmos a voz deles eles só reproduzem o que a maioria tá fazendo. Eu até entendo o que ele tentou fazer aqui, mas ainda acho muito safe e lugar comum pra alguém como o BamBam (assim como acontece com os solos do Kai).

Play, Yuju (ex-GFriend)

No fim, o disband do GFriend não afastou todas da música, com a Yuju debutando solo e Eunha, SinB e Umji formando um trio. Play é um dos takes mais interessantes do latin pop no kpop, mantendo um filtro sombrio sob a base de valenato. Foi interessante e bem competente, mas ao mesmo tempo não me cativou tanto assim.

Chronograph, VICTON

Quando até o VICTON tem uma faixa interessante fica nítido o quanto as empresas estão com fogo nos olhos esse ano. Chronograph tem defeitos parecidos com a faixa do DRIPPIN, mas os rappers são mais competentes no que fazem (contrastando uma voz grossa com uma voz DE NOJENTA), o refrão é muito mais impactante e o nome é criativo pra caramba. Talvez eu até escute o álbum… Quem diria?

LUNATIC, Moonbyul (Mamamoo)

Eu achei muito esquisito o debut solo da Moonbyul ano passado, porque a vibe gótica trevosa não parece ser muito com ela (que, inclusive, é fã de aegyo feminino). Lunatic é a prova disso, mostrando-a muito mais a vontade, seja visualmente quanto vocalmente. Não que isto seja o suficiente pra deixar a faixa do meu gosto (o break de trap depois do primeiro refrão é triste), mas, pelo menos, ela parece estar fazendo algo mais a cara dela.

LIE (Lost In Euphoria), BM (KARD)

BM lançou um R&B anos 2000 com autotune, o que não soa só datado como esquisito (já que a voz dele não muito aquelas coisas). E, não, ele não tira a camisa no clipe (uma pena).

My Life, Mark Tuan (GOT7)

É chocante que uma balada de pop mínimo pode soar boa se for bem escrita. Com quase nada de melodia, My Life é uma faixa crua, confessional, que soa mais pessoal do que a gente espera de qualquer coisa no k-pop.

Ou seja: muito bom, vou escutar muito quando estiver na bad.

Good Night, Coogie (feat. BE’O)

Na minha opinião, o Gray é um dos melhores produtores de k-hip hop da atualidade. A forma como os traps que ele solta conseguem soar tão fresh mesmo depois de estarmos sendo expostos a este gênero há uns quatro/cinco anos é impressionante. Sem contar que toda faixa dele exige que os rappers tentem soar melódicos, o que deixa a faixa muito mais sentimental e relacionável. Esta Good Night é um exemplo de tudo de bom que falei. Eu só não entendi a troca de instrumental depois que a faixa acabou. São duas faixas ou colaram mal a melodia? Fiquei confuso kk

RICA RICA, Nature

As acusações de apropriação cultural do Twitter ficaram tão vazias de significado que, felizmente, nem fazem mais muito barulho. Nature traz aquela clássica qualidade nugu de juntar umas quinhentas etnias num lançamento e fazer o negócio funcionar meio na própria tosquice.

Mas eu fiquei decepcionado que elas desistiram do conceito sombrio que fez todo mundo lembrar o nome delas pra começo de conversa. Mesmo se fosse genérico, ia ser muito mais memorável do que o refrãozinho chiclete na quinta velocidade do créu (gente, isso é velho né? kk).

Feelin’ Like, Pentagon

O Pentagon vem durando de uma forma formidável apesar de tudo. E, agora, depois de TANTO TEMPO finalmente entregaram um single realmente bom. Sem ressalvas, sem piedade porque eles se ferraram muito com o direcionamento da Cube, só um single bom, sexy, retrozinho num clipe que não deixa ninguém feio e nem apela pra tirar a roupa de tudo mundo.

Plus n Minus, Yein

Eu AMO quando escuto um nome aleatório e ele entrega tudo o que nenhum A list consegue. Plus n Minus é aquele soft disco gostosinho, que flui no ouvido como um city pop, coroado de uma voz harmoniosa e um clipe super natural e esbanjando liberdade criativa. Nem sei quem é Yein, mas nossas favoritas sonham ser assim que nem ela.

Rum Pum Pum, Lee Jin Ah

Musicista de jazz, Lee Jin Ah impressiona pela riqueza maluca de instrumentos que povoam Rum Pum Pum. Talvez não seja suficiente pra deixar a faixa impactante, mas, com certeza, é algo legal de se ver.

skinz, OnlyOneOf

E a gente tinha chado libidO ruim hein? skinz consegue errar em TUDO. O clipe foi editado de uma forma muito esquisita (que quebrou toda a vibe de BL do clipe de libidO), o instrumental não cola com os vocais (e irrita os ouvindos em alguns momentos) e tudo parece forçado demais pra soar “conceitual”. Parece até aquela Sticker do NCT, credo!

Lack of Love, verycoybunny

verycoybunny estava na capa da playlist de k-rock do Spotify e isto foi o suficiente pra me fazer saber mais e ouvir (tô querendo manjar mais de k-rock). Não me decepcionei nem um pouco. Ouvir mulheres no rock coreano é sempre um deleite e Lack of Love traz uma energia crua e catártica que muitas bandas se esquecem depois do primeiro álbum com uma gravadora grande. Os vocais dela são super doces e até meio padrão pro kpop, mas o jeito que ela envelopa isto com surf rock deixa a coisa toda muito interessante e diferente do que o kpop e o k-rock costumam entregar.

Ufa! Janeiro acabou e comentei o máximo possível (alguns eu ignorei por ser esquecível demais, como o do ATEEZ). Teve muito coisa boa e muita coisa comentável, o que parece prever um ótimo ano pro cenário.

Só queria encerrar recomendando os ÁLBUNS bons que lançaram, porque eu me vi viciado em Devil do Max Changmin, WHEE da Wheein e Smiley da Yena. Cada um vai pra um lado diferente (o Max é pop trevoso, a Wheein são pseudo-baladas reconfortantes e maduras e a Yena é pure aegyo pop que tá cada vez mais em falta) e esta variabilidade que é sempre legal de ver no kpop xD

O Aquário Hipster também tem Twitter!! Segue lá: @AquarioTutu

6 comentários em “Fundo do Mar (14 a 31/01): Boyfriend, Mamamoo, OnlyOneOf, Astro, fromis_9, Yena, Yuju e mais…

  1. essa msc do bambam eu nem lembrava que existia mais kkk💀
    mas eu fico triste pq ele e a somi sumida tem o mesmo problema: talentosos, mas com um direcionamento duvidoso que faz com que lançem só demos esquecíveis ao invés de algo mais autoral.

    Curtido por 1 pessoa

  2. vim nesse post depois de dois meses pq to ouvindo o ep do pentagon e é até agora o melhor ep de boygroup desse ano. tá sexy, tá retro, tá rock, tá sujo, tá TUDO!!!!!!!!!!!!!!! e produzido pelo gostoso do kino

    Curtido por 1 pessoa

    1. contexto: eu sempre gostei muito de pentagon mas eles se prejudicaram demais com a saída do dawn (e a culpa não é de ninguém além da cube). depois de do or not ano passado, meus meninos voltaram aos trilhos e isso me deixou emocionada

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s